segunda-feira, 31 de maio de 2010

Diga que me odeia

 Eu prefiro que você diga que me odeia, que eu sou ridícula e que é pra eu sumir da sua frente. As palavras serão mais verdadeiras pelo menos...
 Gosto de me sentir insegura, e uma patinha feia. Porque é bem mais confortável. Os feios e chatos não têm que sorrir para ninguém "obrigatoriamente".
 As garotas que são muito bonitas ficam convencidas, e as que não se acham lá grande coisa são mais divertidas e legais. É. 
 As vezes, insegurança pode ser boa. Foi isso o que eu aprendi com essa mudança de planos.
 Então não jogue na minha cara que eu sou a garota mais bonita que você já viu. Eu estou cansada da minha única qualidade para as pessoas é ser bonita. Porque garotas bonitas, por incrível que pareça também pensam. E sentem também.
 E sinceramente, a minha vida seria muito mais fácil se eu fosse a patinha feia e insegura.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Irracional


E eu precisava dele comigo, precisava sentir seu cheiro outra vez, precisava encostar no seu cabelo macio. Precisava sentir o gosto da sua boca e a força de teus braços. O som do teu sorriso, e sua presença a me trazer a calma.
 Eu queria sua melhor parte e esperava dar a minha. Queria o seu melhor beijo e o mais fortes de seus abraços. Queria ouvir sua voz e, necessitava dela. Eu só precisava saber que você existia.
 Já era quase de manhã e eu ainda não tinha dormido, só com a mesma imagem na cabeça, o tempo todo.
 Aquele sentimento me perseguia e eu queria me livrar dele, mas ele estava grudado em mim, dificultando mais as coisas.
 Foi quando percebi, que o que me trazia paz era eu mesma. E assim consegui dormir. 
 Pois não precisamos de ninguém para nos completar, já nascemos inteiros. A vida com alguma companhia é só mais agradável. E quando eu estiver muito apaixonada por mim mesma, eu vou estar pronta, para me apaixonar por alguém.
 E o que eu precisava, era só ilusão. Uma parte de meu coração querendo me enganar. A parte mais irracional e incoerente.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

, resumo

Eu não sei como eu fiquei. Não sei se fiquei parada, se fiquei te acompanhando, se continuei cantando a música, ou se saí fora do ritmo. Só sei que parei. E naquele momento meu mundo era todo seu.
 Não vi o que acontecia em minha volta, apesar de ter várias pessoas ao meu redor, que eram quase impossíveis de serem imperceptíveis. Se alguém estivesse tendo um infarto e se o show tivesse parado, certamente eu não perceberia. Me isolei, e o mundo se distanciou. Foi uma fração de segundo que durou por muito tempo.
 Se ele me viu eu não sei, mas espero que não tenha visto. Eu estava tão acabada naquele momento que preferiria um boeiro para me enfiar.
 A distancia não me permitiu sentir o seu cheiro, nem ver o brilho de seus olhos. O sorriso que me encantou não estava em seu rosto, e eu gostei daquilo.
 Mas o que eu queria mesmo, era poder sentir o calor de seus braços e te ouvir dizer que nunca, me deixaria ir embora.
 Mas nesse momento, isso é impossivel. Pois as músicas já diziam tudo, o que precisava dizer.