quarta-feira, 28 de julho de 2010

Aprendiz


 O mundo gira, o tempo passa, a gente cresce e vai aprendendo com a vida como as pessoas são.   
 Começamos a entender situações, das quais desejamos não ter entendido e passamos por coisas que não esperávamos passar um dia.
 Ser criança era tão mais fácil, quando as nossas únicas preocupações eram se iamos ganhar um bom presente de natal, ou se nossos pais iam brincar com a gente quando eles chegassem.
 Frutos maduros tornam-se e as vezes não tão maduros assim, mas a árvore da vida já considera que estamos preparados para enfrentar o baque que é a realidade. Caimos de uma altura significante e assim entendemos como a vida funciona.
 E o coração cai dessa mesma altura, e fica com as sequelas do choque. Só que ao invés das pessoas tirarem aquele pequeno pedaço que já não está bom e comerem, não. Elas jogam o nosso coração na primeira lata de lixo que encontram. Afinal, o nosso coração não é comestível. E elas não podem mudá-lo, nem deixa-lo melhor, apenas mudando o tempero.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Feliz dia do amigo.

É incrível como apenas simples palavras podem ser significativas para as pessoas, incrível como gestos podem nos arrancar sorrisos e lágrimas também.
Pessoas que nem sempre são importantes para nós, que jamais imaginaríamos que se importariam com o que pensamos, conseguem enxergar os mais profundos dos nossos sentimentos. Que conseguem entender, o que muitos acham banal.
 São gestos, olhares, palavras, e principalmente sorrisos que nos ganham e nos perdem em fração de segundos. 
 Convivencia de uma vida inteira ou momentos tão rápidos como anos-luz, que deixam nosso coração mais leve. 
 São coisas, pessoas, objetos, são lugares, que nos trazem a felicidade. Especialmente quando amamos tudo aquilo. 
 Ver as nuvens, contar estrelas, madrugar, rir dos erros, compartilhar segredos, apoiar, mostrar o caminho certo, sem medo de ser feliz.
 Lágrimas de emoção escorrem pela face da garota ao saber que não está sozinha. De saudade quando tem que dizer adeus. Lágrimas das lembranças vividas. Lágrimas ao perceber que tudo o que te fazia bem acabou. Lágrimas ao saber, que mesmo sendo a pior pessoa do mundo, em algum lugar, vai encontrar alguém que a ama. E te aceita como é. 
 Quem um dia disse que não precisamos de amigos para ser feliz, merece um troféu. O troféu da pior pessoa, com o pior comentário possivel.
 Não me importo com a arrogância das minhas palavras, esse só é o resultado que a falta de um amigo me faz.
 Feliz dia do amigo para você. E aproveite cada segundo, que você tem ao lado dele. Porque você nunca sabe, quanto tempo tem.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Saudade

 Aquele dia estava frio, o céu estava cinza e chovia muito. Foi um dia de férias como qualquer outro apesar de eu estar me sentindo estranha. Eu não sabia o que era, a minha única certeza era que eu nunca tinha sentido aquilo com tanta intensidade como agora.
 Liguei o computador e me arrependi. A internet é a espécie de máscara mais usada no mundo e eu estava cansada de toda aquela falsidade. 

 Eu tinha repugnância de falsidade, solidão e da mente humana. Me deixava horrorizada só de pensar que alguém poderia se aproximar de mim por algum interesse. O ser humano é um animal cruel.
 Foi então que uma pessoa fez o meu dia mudar de tom, mudar de rumo.  Um amigo que há muito tempo eu não conversava, nem via, veio falar comigo. Estranhei a princípio, mas logo as lembranças nos inundaram e começamos a lembrar dos momentos que nós passávamos, das horas perdidas cantando músicas mais velhas do que nós mesmos, dos tempos das poesias de amor que fazíamos por fazer e que ainda guardo comigo, das risadas sem motivo, dos momentos de preocupação um com o outro, dos lanches divididos, das coisas mais banais, e da felicidade. 

 Felicidade aquela que nem sabíamos que existia e jogávamos fora como uma coisa qualquer e desfrutávamos sem cerimônia. 
 Dizíamos tchau como se nao significasse nada, e no fundo nem dávamos valor a grande amizade que a gente possuía em nossas mãos. 
 Até que um dia, o tchau se tornou adeus. E  naquela manhã eu levantei, e já não pude mais vê-lo como fazia todos os dias. Ele já não estava na minha rotina. As risadas e a felicidade eu deixei naquele mesmo lugar, onde meu grande amigo se encontrava. Um lugar que eu nem poderia voltar para buscar o que eu havia esquecido, pois um vez do portão para fora, aquele lugar se tornava perigoso.
 E foi naquele momento em que eu percebi, que o que eu sentia o tempo todo era um vazio profundo chamado, saudade.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Inseto

  Me invade uma vontade de mudar. A imagem que eu vejo no espelho já não me agrada mais e até quando eu vou ficar me achando um monstro? 
 O aperto no peito, a imagem na mente que me fazem lembrar você. A ficção misturada com a realidade que distribui um aroma em tudo e me fazem sustentar o teu olhar, porém em uma fração de segundos eu o desvio lembrando que o meu melhor, não é o bastante para você.
 Não sinto mais fome e o que me alimenta agora são os meus livros e contos de fada, cujos são mais confortáveis, pois na ficção tudo é possível. Eu fujo de realidades que não me agradam tanto e quem me dera se eu fosse capaz de fazer uma história que prendesse o leitor, assim como eu gostaria de prender você.
 Um inseto diante dos pés de um humano, é como essa coisa que pulsa e expulsa sangue, aqui dentro de mim se sente diante de ti.
  O mundo em uma revira-volta e meu estômago também, gritando por uma vida com mais emoção. 
 Alguém está afim de me levar para o Hopi Hari? Acho que essa, é a única maneira. Por enquanto.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Fugitiva

Vontade de ir embora, a vontade de gritar. Poder falar para o mundo inteiro que eu odeio ser atormentada sem nenhum motivo racional. Mas sem ser grossa e inconveniente, isso é impossivel. A "vergonha" de dizer obrigada me torna uma pessoa ruim. E não ouvir tudo o que me incomoda quieta também. As vezes o meu jeito de expressar o que acontece dentro de mim não é o que você espera que eu faça, ou o que você considera normal. De vez em quando, as palavras vão fazer alguma viagem para algum lugar, ou simplesmente fogem de mim como se lembrassem de algo muito importante no exato momento eu que eu preciso delas. E eu fico muda e sem reação alguma, simplismente agindo e esperando que alguém, ou você, quebre o silencio que há entre nós. Pode ser no momento em que você mais precise ouvir alguma coisa vinda de mim, eu juro que a culpa não é minha, foram as palavras que fugiram. Mas eu sei que mesmo o mundo inteiro me odiando pela minha maneira estranha de ser, a única coisa pela qual eu busco é a minha paz de espírito. E assim trazer a paz para todos que estão em minha volta. Espero que alguém em algum lugar do mundo, pense igual a mim.