terça-feira, 25 de janeiro de 2011

É dosar toda dose de loucura ♫

 
Eu não falo da dor, eu falo da estranha sensação de não sentir nada. Eu queria muito que isso acontecesse, que eu conseguisse me desligar tão rápido como as pessoas estão acostumadas a fazer, imitando esses aparelhos de última geração. O que eu deixei de perceber, é que a maioria nem chegou a se ligar e eu aqui, sem saber nem a metade do que está acontecendo. 
 Fico esperando reações que deixaram de existir ou talvez nunca tenham existido, eu que me confundi. Contando com uma confiança que eu ainda não conquistei, mas que as vezes eu enxergo pequenos fragmentos lá no fim daquela caverna, naquele pequeno ponto de luz. Não sei se é só meu subconciente tentando me confortar, repetindo em minha mente que tudo vai dar certo e que com o tempo as coisas voltarão para o seu lugar, não sei se é ilusão ou se realmente eu vejo um pouco de confiança nas pessoas. Sei que vai demorar mais uma temporada daquelas para eu me recuperar, ou fingir que recuperei. Odeio decepcionar os outros e me sentir fraca e inútil por isso.
 Quem sabe eu só precise deixar de ser boazinha, porque daí com certeza eu não vou quebrar a cara ao confiar de novo em alguém, ou eu esteja precisando reformular tudo o que é nude e sem expressão, dar apenas uma tonalidade a mais. Talvez eu só precise me aceitar e encarar essa nova realidade, me aproximando a cada dia de mim mesma e me tornando amiga de um espelho de alma e com o tempo, aproximando as pessoas em minha volta. Porque a felicidade só depende de mim.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Não é proibido

 - Uhuuu! Olha, é só correr com os braços bem abertos! Finge que é um avião!
 - Para de gritar!
 - Não estou gritando, estou elevando a minha voz...
 - Para com isso!
 - Ah, vamos correr! Oloco, eu madruguei essa noite e estou mais rápida que você! RAAWN haha
 - Para com isso. Eu estou passando vergonha!
 - Vergonha por que? Sou alguma espécie de anormal?
 - Parece. Você está toda descabelada!
 - Edaí? Ninguém me conhece. Não devo nada pra ninguém! uhuuu
 - Para!
 - Ah, só porquê eu sou feliz?
 - Não, porque você está correndo com os braços abertos fingindo que é um avião!
 - Isso é só um detalhe!
 - Você está ficando louca?
 - Sim! Mas eu sei que você me ama do mesmo jeito!
 - Ei, garota! É proibido ficar gritando aqui, sabia?
 - Não, é proibido a partir do momento em que não está bom para você. 
 Eu tenho o maior medo, dessa coisa de ser normal.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Frascos

 Ás vezes é bom guardar sentimentos, guardar histórias. Pode ser saudável guardar lembranças e recuperá-las nos sonhos ao dormir. Deve ser bom guardar olhares, mas a pior coisa é guardar um abraço. Nunca guarde um beijo e não caia na loucura de guardar um sorriso.
 Não se surpreenda se guardar uma palavra, ainda mais uma palavra que signifique para você e que precisava ser dita. Jamais guarde experiências e ensine ao próximo o bem que é viver, não guarde rancor ou mágoas e converse sempre que puder. Guarde segredos se um dia precisar, mas não tenha medo de guardar as mentiras quando for solta-los, guarde o que não quer para você e compartilhe o que há de melhor.
 Faça o quiser da vida porém jamais guarde o tempo, não deixe que o perdão e a bondade caiam no esquecimento e não os guarde nunca, use-os sempre que puder. 
 Guarde se isso lhe fizer bem e extravase até o seu limite, guarde o amor de um irmão, a amizade de um amigo, um carinho familiar, aquele sorriso e o intenso olhar.
 Guarde tudo se quiser, mas se o que for guardar foi um "eu te amo", nunca, simplesmente assim, nunca guarde. O que eu esqueci de contar é que o tempo e momentos como esse, são impossíveis de congelar e serem guardados em qualquer tipo de frasco.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Em 2010 ,

 Eu fui bastante ao cinema, comecei a pintar as unhas de cores berrantes, chorei tanto e aprendi em dobro, li muito mais. Exercitei a mente e por incrível que pareça, o corpo também. Comecei a escrever de madrugada, a falar diferente e a fazer caretas. Conheci um outro mundo, ouvi outras músicas, fiz novas amizades, experimentei coisas diferentes, consumi mais. Criei novos medos, novas manias, novas artes. Consegui Havaianas mais que suficientes para um par de pés, o que é um sonho realizado. Alimentei incertezas, colecionei sonhos, andei de salto, fui ignorante e medrosa, bebi muito mais água. Coloquei um pircing, guiei-me por um calendário, esqueci várias vezes das coisas, dormi por duas pessoas, amadureci. Achei minha cor preferida e o meu momento do dia preferido também, senti saudades enomes, superei. Ganhei dinheiro, perdi, me arrependi, tive crise de personalidade, cresci. Conheci produtos novos, diversões novas, continuei com hábitos chatos, tive ciúmes, senti dor, senti falta. Tive sede de conhecimento, preguiça de trabalho, raiva e dó de pessoas. Tive sentimentos estranhos, pensamentos estranhos e fui insanamente estranha.
 Em 2010 eu não apenas vivi, eu também evoluí.