segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Chuva de Verão

 Eu pensei que estava tudo acabado, que eu nunca mais passaria por isso porém, quando eu vi as lágrimas já faziam festa pelo meu rosto. Mais uma vez eu não queria, mais uma vez eu não tive escolha, simplesmente tive que fazer e a cada energia gasta sem ao menos sair do lugar, sentia que tudo ficava para trás. Novamente.
 Meu coração foi torturado e pisoteado e agora, ele sofre precipitadamente pois já sabe o que está por vir. Será que ele vai aguentar tanto aperto mais uma vez? Será que eu vou aguentar? Vai chegar o dia que as pessoas cansarão de me fazer sofrer e me deixarão seguir em paz?
 A única coisa que eu peço é a calmaria, pode até ter tsunames dentro de mim mas são os meus tsunames e eles não me incomodam, não incomodam mais. Logo agora, que eu me sentia completa de novo, sou obrigada a fingir que está tudo bem quando a minha vista embaça pelas lágrimas e meu peito sufoca, só de lembrar da hipótese de perder tudo de novo.
 Eu não sou ruim, sei que não sou, então acho que não mereço essa chuva ácida no meu rosto. Pois é assim que eu me sinto, imersa na escuridão com uma chuva ácida que me queima e alaga meu coração. Deve ser carma, só pode.
 No fundo eu sei que aguento, pois ninguém morre de decepção, ainda mais uma adolescente dramática e egoísta como dizem as más línguas. Vai ser pior mesmo eu não esperando por isso, embora eu saiba que me deixará mais forte. O problema é que eu não quero ser forte, quero ser só eu. Cansei de mudanças, cansei de me esquecer, de me esquecerem, de sentir o ar passando dentro de mim por estar tão oca, de olharem e não me verem pois já estou tão vazia sem os pedaços do meu coração que deixei para trás que me torno imperceptível.
 Sei que aguento, mas ainda vai chegar a hora em que será tarde de mais para me salvar.
 

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Ponto de luz

Sabe quando você se sente tão vazio, tão sem rumo ao ponto de desmoronar? Que qualquer desmontração de afeto se torna significativa e por um momento parece que as pessoas se importam com você? Sabe aquele medo intenso de perder quem você ama, que te faz agir sem pensar e fazer de tudo para agradar?
 Você olha para os lados e vê que todos são felizes sem você, todo mundo tem um porto-seguro, alguém que nunca se separa e você só tem as sobras de afeto dos outros.
 É a maldita insegurança que nos assombra, que espera o nosso ponto de fraqueza aparecer para se agarrar totalmente a ele. É aí que a gente começa a ser mais sábio, começa ficar mais calado e a prestar atenção ao redor, a prestar atenção nos olhares e nos gestos involuntários das pessoas. E depois de um tempo, você percebe que todos tem as mesmas fraquezas só que em momentos diferentes. E mesmo que passe pela nossa cabeça milhões de vezes, a gente não está sozinho, tem sempre alguém lá em cima observando os nossos movimentos e pronto para ajudar. Se você não acredita tudo bem, até porquê, a única pessoa que realmente pode nos ajudar somos nós mesmos e antes de precisar de alguém, temos que nos precisar.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Abstrato escancarado

 A verdade é que ninguém vai gostar da gente totalmente. O amor que a gente dá, é o mesmo que queremos receber, as pessoas nos amam mas não gostam da gente o tempo todo. A verdade é que ninguém se importa, todos querem cumprir bem o seu papel de amigo, família, conselheiro ou o que quer que seja. As pessoas se preocupam com o que lhe convém e que se dane o resto.
 Só lembram da gente quando temos algo a oferecer ou quando somos os únicos à disposição. As pessoas acostumam-se a se contentar com migalhas e será que tem que ser assim? Será que no meio de tanta desilusão exista alguma coisa que preste?
 Não acredito que pessoas sejam substituíveis pois não existem pessoas iguais. E por não existirem pessoas iguais, não temos que tratá-las do mesmo jeito. Não seria burrice viver, mas seria burrice insistir no erro. Mas errar não é humano? Então porque tanto medo de errar se é com os nossos erros que ficamos mais fortes? Ah, vai entender o ser humano... Ou vai tentar me entender. Impossível. Ou seja uma equação complexa de mais e por isso as pessoas se cansam tão fácil. Talvez não seja uma equação, mas um quadro abstrato e sem sentido que chama atenção no começo mas logo perde a graça em querer descobrir o que há ali. Talvez todas as pessoas sejam quadros abstratos indecifráveis, cada qual com sua cor, intenção e sentimento ali escancarado na sua cara, mas encoberto pelas entrelinhas.