domingo, 23 de setembro de 2012

Perguntas sem respostas

  
   Chego mais cedo sem motivo aparente, fecho os olhos e mentalizo olhos; ato normal pra uma pessoa esquisita e parece que fica faltando alguma coisa, não sei. Acho que todos os abraços e beijos não foram suficientes, as mãos dadas, os olhares, as minhas mordidas e as minhas risadas compulsivas também não, ainda falta alguma coisa; tempo, é o tempo que nos falta, só isso.
   Acho que não irritei o suficiente, nem fui estranha o suficiente, não falei muitas besteiras, não tropecei tanto e nem comi tão mal, porque ele ainda não saiu correndo. Acho que está até demorando demais pra isso acontecer e é, tenho medo. Aqueles anos foram suficientes para eu entender que eu não aguentaria mais uma vez, ou aguentaria, mas prefiro nem pensar.
    É ruim pensar mas eu pensei, foi automático; trilhas sonoras me lembram sofrimento, e a culpa não é minha, eu bem queria ter uma música com uma lembrança boa, mas até agora eu não encontrei pois as pessoas partem e levam com elas a parte boa das lembranças. As vezes eu penso que o que falta é a ida, não no sentido de ir embora pois é o que todos fazem sempre, mas a ida definitiva. Talvez essa, seja a explicação para o meu sentimento estranho. Estou tão acostumada com adeuses, com até nunca mais, que quando isso demora a chegar eu começo a duvidar da realidade. Não estou acostumada com pessoas, e acho que nunca me acostumarei; faço perguntas estranhas, frases estranhas, caretas estranhas, ando estranho e, com o tempo as pessoas se cansam disso, não por mal, mas apenas cansaço de um jogo que nunca tem fim.
   Desculpem-me pela frieza e pelas críticas, é só o modo de me defender de uma sociedade que não tem piedade de ninguém, talvez a minha estranheza também seja uma arma, um escudo ou sei lá. O bom de tudo isso é que você é o oposto do que sempre foi, e mesmo que todos saibam o final trágico dessas histórias, inundarei o tempo com o melhor que eu posso ser, pois uma hora o nosso filme vai acabar e eu quero ter mais lembranças boas do que do meu ultimo filme, pra ver se o trauma vai ser menos pior dessa vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário