terça-feira, 25 de dezembro de 2012

O certo



   Eu não sei se o que eu sinto é tristeza ou felicidade, não sei se tenho crises de riso ou choro até dormir, não sei se lembro ou ignoro, não sei de mais nada. Não lembro nem o que é sentimento para poder denomina-los, tudo está uma confusão só - e olha que nem chegou na pior parte - não sei o que fazer.
   Acho que tudo é uma mistura de sentimentos, acontecimentos e lembranças que não colocaram um nome ainda, o que só dificulta ainda mais a minha explicação.
   Nenhum peso das minhas costas foi tirado, não sinto meu peito vazio, não me dói rir, nem tenho mágoas no coração; consigo raciocinar, dormir e as vezes até falar sem gaguejar porque, nunca teve peso nas minhas costas e nunca foi tão fácil sorrir, não existiu motivos pra ter mágoas no meu coração e nenhum ato sem fundamento para confundir meu raciocínio.
   Só tive lembranças boas e dias ótimos, por isso é tão complicado decidir se o fim é bom ou ruim. Perdas não são acontecimentos agradáveis, mas não foi de fato uma perda, foi? Quando uma pessoa só acrescenta na sua vida não tem o que perder, mas pensar que todo o pouco que você tinha acabou dói, e bastante.
   Então entra a parte em que seu coração fica tão grande que te sufoca e parece que as lagrimas se recusam a cair, quando caem são lágrimas boas e não aquelas ácidas que machucam até a alma; a falta de amor cansa, quer dizer, não poder amar esgota e disso eu entendo perfeitamente.
   Por isso torna-se tão dificil a decisão entre o bom e o ruim, pois são sentimentos que se fundem como o yin-yang e nenhum é completo sem o outro. E assim eu acabo classificando como o certo, não é bom nem ruim mas é o certo a se fazer, mesmo que isso custe algumas coisas. Quando fazemos uma escolha sempre deixamos algo para trás e mesmo que doa, as vezes essa, é a melhor das opções.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Oração


                                                                                      A banda mais bonita da cidade (:

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Não me chame de amor



  Não me chame de amor, por favor. Eu já expliquei a teoria da hipocrisia, não rola, não dá certo. Dá merda. Já pensou na responsabilidade que tens nas mãos quando diz uma única frase? Eu te amo não é para qualquer flor, qualquer cor, qualquer música, qualquer um. Era uma coisa tão simples e eu tinha que praticamente desenhar; Se eu fizesse um teatro talvez tivesse funcionado.
   Recém-nascido é o nosso coração, necessita de cuidados, de calor, de colo, amor. Não me chame de amor, por favor. Já pensou em abandonar um recém-nascido e trocá-lo por outro sem mais nem menos? Não dá. Esse é o nosso coração, incapaz como um bebê.
   Não me chame de amor, gera ilusão. Sabe aquela lá? A pior e melhor frase, que move o mundo despertando possessão, insegurança, ciúmes, saudade, paranóia, taquicardia, ansiedade... O tal "eu te amo"? Então. Diga-me musicas, poesias, verdades, curiosidades, até atrocidades, menos a ilusão do eu te amo. Nada contra a dita cuja, mas essa frase é poderosa demais e não dá para esquecer de uma hora para outra quando resolverem ir embora, também. Me adore, me idolatre, me agracie, me prenda, me morda, faça o que quiser porque assim, não precisará dizer que me ama.
    Deixe que os olhos brilhem, que as mãos suem, que as palavras fujam até porque, não precisamos delas. Me abrace, me aperte, me carregue, brinque e pode até me amar, mas não permita que eu saiba disso o tempo todo. Fuja, corra, desapareça por alguns instantes só para eu ter a alegria de te ver novamente.
   E vamos combinar, quando me encontrar... não me chame de amor, por favor. Não carregue a responsabilidade em si, que talvez não poderá cumprir, como já aconteceu antes. O problema não é a frase, mas as consequências diante dela; Quem fala demais perde a necessidade de demonstrar e eu não suporto isso.
    Ame, mas não conte para o seu bebê pois assim, ele poderá crescer e entender a vida sem as armadilhas que estão impregnadas nele. O amor e amar não são problemas, os sentimentos que os acompanham e a capacidade das pessoas de lidar com isso, é que formam o campo minado. Até porquê, o que mais tem no mundo é gente confundindo paixonite de momento com amor, o que torna essa frase mil vezes mais perigosa, e denominando o sentimento como algo ruim quando na verdade nunca nem experimentaram o que é o amor e não perceberam que é a falta dele que torna as pessoas tão amarguradas.